Reflexão em Essência Compartilhada

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Desvestidamente

 
Pela primeira vez em muito tempo,
desvestiu-se
mas não esperou que viesse.
desvestiu-se pra si mesma,
a casa na penumbra,
telefones desligados,
musica boa ecoando sem interrupções.
era como se a harmonia dançasse a sua frente.
comeu sem pressa,
bebeu sorvendo gole a gole.
parada diante do espelho
nele  pensou
e só riu.
Vida danada essa,
sutilmente
 latejando,
vontade é certo fluiu.
as mãos  livremente
 no corpo consentiu.
Voltando pra cama deitou-se
desvestida de tudo
depois e saciada
a musica longe já ia
e assim
livre
dormiu...


 

Pesquisar este blog

Share |